A Pope Morocco

 

Transcrevemos um artigo de Pedro Vaz Patto que se debruça sobre o Documento, assinado em fevereiro no Abu Dhabi, pelo Papa e pelo Grande Imã do Cairo, realçando diversos aspetos comuns a ambas as religiões, explicitamente referidos, como a condenação do aborto e da eutanásia, e a defesa e proteção da família.

Vivemos um momento importante de clarificação, para todas as partes, do caminho a trilhar nas relações entre os cristãos e os muçulmanos, entre a Europa de hoje, com uma forte componente de europeus muçulmanos, e África do norte e Médio-Oriente com uma presença também importante de cristãos. Vivemos e testemunhámos, nos últimos anos, perseguições e martírios de cristãos em diversas zonas do Médio-Oriente, na Síria, no Egito. Vivemos também, na Europa, um clima de grande desconfiança, em parte alimentado por atos terroristas sucessivos, da população em geral face a determinados segmentos das comunidades muçulmanas presentes nos vários países.

Neste contexto, o Papa, e a esmagadora maioria das autoridades religiosas islâmicas, lutam incansavelmente pela paz e pelo diálogo recíprocos. A viagem do Papa a Marrocos constitui, inquestionavelmente, um novo marco nesta luta sem quartel pela Paz.

UM DOCUMENTO HISTÓRICO

Tem dado origem a alguns equívocos por causa de uma frase relativa ao pluralismo religioso nos desígnios de Deus (equívocos que foram bem dissipados num artigo do Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada publicado no Observador). Mas, para além desses equívocos, parecem-me de salientar outros aspetos que contribuem para atribuir um alcance histórico ao Documento sobre a Fraternidade em prol da Paz Mundial e da Convivência Comum assinado pelo Papa Francisco e pela máxima autoridade do Islão sunita (não equiparável, porém, à autoridade do Papa na Igreja Católica), o Grande Imã da universidade Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb

Convém salientar que os signatários representam (de formas diferentes – é certo) as duas confissões religiosas com que se identificam o maior número de pessoas em todo o mundo. Vivemos num contexto em que se teme o chamado conflito de civilizações, que colocaria em confronto, entre outras, as civilizações influenciadas pelo cristianismo e pelo Islão (como sucedeu em séculos passados). A religião islâmica é apontada por muitos como intrinsecamente violenta. Em muitos países é em nome dela que são perseguidas minorias cristãs. Os conflitos históricos entre religiões servem de motivo para a tese de que é necessariamente nefasta a sua influência social A globalização torna incontornável a convivência entre pessoas de diferentes culturas e religiões e entre cristãos e muçulmanos.

Neste contexto, o que nos diz este documento?

Diz-nos que «as religiões nunca incitam à guerra e não solicitam sentimentos de ódio, hostilidade, extremismo, nem convidam à violência ou ao derramamento de sangue. Estas calamidades são fruto de desvio dos ensinamentos religiosos, do uso político das religiões e também das interpretações de grupos de homens de religião que abusaram – nalgumas fases da história – da influência do sentimento religioso sobre os corações dos homens para os levar à realização daquilo que não tem nada a ver com a verdade da religião, para alcançar fins políticos e económicos mundanos e míopes.»

Afirma que «entre as causas mais importantes da crise do mundo moderno, se contam uma consciência humana anestesiada e o afastamento dos valores religiosos, bem como o predomínio do individualismo e das filosofias materialistas que divinizam o homem e colocam os valores mundanos e materiais no lugar dos princípios supremos e transcendentes.»

Afirma o valor da liberdade religiosa, rejeitando «o facto de forçar as pessoas a aderir a uma determinada religião» (o que – não podemos esquecer - sucede em países onde são punidas as conversões do Islão ao cristianismo).

Afirma valores que vão contra a cultura hoje dominante. O da vida como um dom «que ninguém tem o direito de tirar, ameaçar ou manipular a seu bel-prazer», que todos devem preservar «desde o seu início até à morte natural». Por isso, condena «todas as práticas que ameaçam a vida, como os genocídios, os atos terroristas, os deslocamentos forçados, o tráfico de órgãos humanos, o aborto e a eutanásia e as políticas que apoiam tudo isto.»

Afirma também o valor da família «como núcleo fundamental da sociedade e da humanidade, para dar à luz filhos, criá-los, educá-los, proporcionar-lhes uma moral sólida e a proteção familiar». Por isso, atacar «a instituição familiar, desprezando-a ou duvidando da importância de seu papel, constitui um dos males mais perigosos do nosso tempo.».

Sobretudo estas, mas também outras afirmações, solenes e firmes, conferem um alcance histórico a este documento. Há que fazer tudo para que ela tenha repercussão prática, pois, como disse a propósito o Papa Francisco, «ou construímos juntos o futuro, ou não haverá futuro».

Pedro Vaz Patto