1 Guia de Voto Final

 

           COMUNICADO FPV

A Federação Portuguesa pela Vida tomou conhecimento que foi publicada uma reportagem no Diário de Notícias de 15 de Maio de 2019 onde se afirmava que esta Federação tinha apelado ao voto numa coligação concorrente às eleições europeias.

É também afirmado na notícia que o quadro publicado no âmbito da campanha "A Vida em 1º Lugar" é simplista por não considerar algumas matérias abrangidas pela Doutrina Social da Igreja. 

Embora nos pareça evidente que o quadro publicado nas redes sociais, assim como em publicidade no Observador, não é uma indicação de voto, mas apenas informação sobre a posição dos partidos nos temas habitualmente tratados pela Federação, esclarecemos o senhor jornalista: 

1º A Federação Portuguesa pela Vida é um movimento político nascido no contexto da luta contra o aborto, que tem defendido a Dignidade da Vida Humana desde a concepção à morte natural contra as várias tentativas políticas de contrariar essa Dignidade. É neste contexto que foram colocadas questões aos diversos partidos que concorrem às eleições europeias.

2º A Federação Portuguesa pela Vida não é confessional. Entre os nossos apoiantes estão pessoas de várias religiões e sem religião. Pelo que é natural que tomemos posição apenas sobre os temas acima enunciados e não sobre a doutrina de qualquer Igreja.

3º Na Caminhada pela Vida realizada em Novembro de 2018, onde, de acordo com as autoridades, participaram mais de oito mil pessoas em cinco cidades do país, foi anunciada a campanha A Vida em 1º Lugar. Anunciámos na Caminhada que antes das eleições europeias e legislativas iríamos publicar a posição dos partidos sobre os nossos temas.

4º É nesse contexto que lançámos a nossa campanha, com um quadro informativo sobre a posição dos partidos. O quadro não constituiu uma indicação de voto nem um apoio a qualquer partido, é apenas uma informação sobre a posição dos partidos relativamente à agenda pró-vida. Evidentemente que os temas apontados não são os únicos para decidir o voto, são apenas aqueles sobre os quais a Federação, no seu trabalho político, se debruça.

5º É por isso falsa (e bastante ridícula, considerando que há mais dois partidos com igual avaliação) a colagem que o jornalista tenta fazer entre esta Federação e uma coligação concreta). A Federação Portuguesa lamenta, por isso, que o jornalista tenha sacrificado a realidade ao sensacionalismo. Lamentamos ainda que o mesmo não tenha procurado contactar esta Federação, que teria todo o gosto em esclarecer as suas dúvidas. 

Esta notícia não irá condicionar o nosso trabalho de divulgação da posição dos partidos sobre a Defesa da Vida. A Federação Portuguesa pela Vida continuará a defender a Dignidade da Vida Humana, com a mesma independência de sempre.

José Maria Seabra Duque