Ftima 100 v2

Centenário das Aparições da Virgem de Fátima - Papa Francisco em Fátima em 12 e 13 de maio

Uma Mensagem de Paz, Humanidade, e Vida, para o Mundo inteiro!

“A destruição da vida – do aborto à eutanásia - é a destruição do Homem. Como diz o Papa Francisco, é contra a ecologia, é criar vidas descartáveis, é um retrocesso civilizacional”

Isilda Pegado
Presidente da Federação Portuguesa pela Vida

 

COMUNICADO FPV
Parecer N.º 63 do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida –
Procriação Medicamente Assistida e Gestação de Substituição


O Conselho Nacional de Ética para as Ciência da Vida (CNECV) emitiu hoje parecer acerca das chamadas barrigas de aluguer que, não fora as circunstâncias que o ditam, seria totalmente incompreensível mas que ainda assim o tornam lamentável. Na verdade o CNECV:


1. Vem apresentar o seu verdadeiro rosto – tornou-se num órgão político, ao serviço da ideologia que fez eleger a maioria dos seus membros, e por isso é hoje “o braço armado do miserável governo Sócrates” que persiste em atirar o povo para a escravatura, em especial das mulheres;


2. Nega os grandes princípios éticos da nossa civilização, como seja o respeito pela dignidade humana e pela maternidade, a troco de malabarismos políticos de circunstância (as pseudolimitações às barrigas de aluguer);


3. Usa o drama dos casais inférteis para dizer que todo o negócio das barrigas de aluguer é nulo e por isso revogável a todo o tempo.

Importa com seriedade ler a Declaração de Voto subscrita pelos 6 Conselheiros vencidos que votaram contra o parecer agora emitido pelo CNECV: Michel Renaud, Ana Sofia Carvalho, Agostinho Almeida Santos, Francisco Carvalho Guerra, José Germano de Sousa e Maria do Céu Patrão Neves em que a força dos argumentos manda mais do que o número de votos e no qual está expressa a verdadeira ética que deve presidir ao tratamento de tão fraturante questão.


A Federação Portuguesa pela Vida apela por isso à razão que emerge dessa Declaração de Voto, baseada no superior interesse do nascituro, por oposição ao argumentário do parecer do CNECV, como instrumento de trabalho sério e credível para todos os que estão envolvidos neste processo enquanto única forma de trilhar um caminho assente no respeito pelos Direitos Humanos.

Abril 2012