Adoctrinamiento sexual

Os encarregados de educação têm o direito de proibir que a escola que os filhos frequentam lhes ministrem aulas de "educação sexual". Esta possibilidade de rejeição é um direito que muitos pais desconhecem mas que vem ao encontro dos seus anseios por uma educação que não seja ideologicamente enviezada e orientada, do ponto de vista de educação sexual, ao invés de princípios e valores que esses mesmos pais perfilham.

Saiba mais nos sites:

 

www.familiaesociedade.org

www.plataforma-rn.org

Veja a minuta da carta proposta e as regras da sua utilização. 

Exmo(a). Senhor(a) Director(a) da

Escola ________________________________

__________________________________________

__________________________________________

__________________________

____________________, ____/ ____/ ________.

Assunto: Ano Lectivo ____ / _____.

__________________________________________, ___ Ano.

__________________________________________, ___ Ano.

__________________________________________, ___ Ano.

Exmo(a) Senhor(a)

De acordo com a Constituição Portuguesa (art.º 36, nº 5) "Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos”.

A educação sexual dos nossos filhos (educandos) é da nossa competência e é algo que nós fazemos, como pais, desde o seu nascimento, de um modo natural, integrado, progressivo, completo e respeitando as exigências das suas necessidades concretas, do seu crescimento e da sua dignidade pessoal.

Neste sentido, para o ano lectivo em assunto, desde já informamos que não autorizamos a participação dos nossos filhos, cujos nomes acima se referem, em qualquer aula, acção ou aconselhamento relativo a “educação sexual”, sem o nosso acordo por escrito, atempadamente solicitado pela escola. 

Sem outro assunto, apresentamos os nossos melhores cumprimentos,

De V. Exa.

Atenciosamente,

"CARTA ESCOLA" - Enviar à escola: sim ou não?

A Plataforma RN recomenda que SIM.

Perguntas frequentes:

  • O meu filho entra para a escola este ano, 1º. ano do 1º. ciclo, mesmo assim devo entregar a "carta"? 
  • R: a "carta" deve ser sempre entregue, quer o seu filho esteja no 1º. ano do 1º. ciclo quer o seu filho esteja no 12º ano, pelos menos enquanto for de menor idade. Assim garante que não será apanhado(a) de surpresa! Tenha em conta que se nada disser à escola, também depois não pode responsabilizar a escola, quando for surpreendido(a) por algum episódio contra as suas convicções.
  • A "carta" deve ser entregue mesmo nas escolas que não sejam do estado? 
  • R: sim a "carta" deve ser sempre entregue, mesmo que a escola pertença a outra instituição que não o estado. Há só uma forma dos pais expressarem objectivamente, e pelo seu próprio punho, as instruções que entendem ser convenientes transmitir à escola, independentemente de estas serem do estado ou de outra instituição.
  • Entreguei a "carta" na escola no ano lectivo passado. Tenho de voltar a entregar este ano? 
  • R: sim, todos os anos deve renovar a entrega da carta. A "carta" foi pensada para ser entregue todos os anos, por motivos diversos, mas em particular para que não fiquem dúvidas em relação à intenção dos pais enquanto principais educadores, muito concretamente no tocante a esta matéria. Também todos os anos renova a matricula do seu filho!
  • Quando devo entregar a "carta"? 

R: a "carta" pode ser entregue em qualquer altura. Mas recomenda-se que seja entregue no acto da matrícula ou de renovação da matricula. No inicio do ano lectivo também pode ser uma boa altura. Deve ficar com uma cópia e com um  comprovativo da entrega da mesma.