Público - 17 Set 04
Polémica do Aborto Prossegue na Holanda 
Por M.O./P.F.

Além do Parlamento Europeu e da Assembleia da República, a polémica em torno da vinda da Women On Waves (WOW) em Portugal também se faz em território holandês. Ontem, o presidente da Associação Portuguesa de Maternidade e Vida (APMV), Francisco Rocha, reuniu-se naquele país com deputados democratas-cristãos, um dos partidos que integra a coligação governamental, a quem entregou gravações dos programas de televisão em que a fundadora da WOW, Rebecca Gomperts, descreve como utilizar um medicamento indicado na protecção da mucosa gástrica para abortar.

"No encontro fomos informados que a secretária de Estado da Saúde já tinha pedido à inspecção de saúde que averiguasse se as activistas da WOW tinham incitado as portuguesas a recorrer a um produto desadequado para abortar", referiu Francisco Rocha. Hoje o presidente da APMV vai entregar uma queixa na secretaria de Estado da Saúde holandesa, pedindo que seja retirada a licença do navio-clínica "Borndiep" para navegar em águas internacionais.

Por seu lado, a WOW prometeu fazer uma manifestação junto ao local da reunião dos ministros da Defesa da UE, em Noordwijk na Holanda. No encontro, que começou ontem e dura até hoje, estará presente o principal visado dessa manifestação, o ministro português da Defesa, Paulo Portas.

Segundo a WOW, a atitude do estado português poderá abrir precedentes junto de outros países. Organizações como a Greenpeace ou os Médicos Sem Fronteiras, que utilizam também barcos como forma de propaganda, poderão estar mais limitadas.

Em qualquer caso, a organização já prometeu, à chegada do navio "Borndiep" à Holanda, que este regressaria a Portugal em 2006, aquando das eleições legislativas. O objectivo será "lembrar aos eleitores a violência utilizada pelo actual governo português contra o navio".