Associação Mulheres Em Acção - 25 Fev 04

Afinal era mentira!!!

O Professor Freitas do Amaral apresentou recentemente uma proposta de “compromisso” relativa à actual discussão sobre a despenalização do aborto. Sobre essa proposta e a sobre a reacção que mereceu, a Associação Mulheres em Acção torna público o seguinte comentário:

O desprezo ou hostilidade com que foi recebida pelos adeptos da liberalização do aborto a proposta do Professor Freitas do Amaral são particularmente eloquentes.

Essa proposta terá os seus problemas de tipo processual e penal, como foi já avançado por alguns juristas, mas poderia constituir uma hipótese de trabalho e, pelo menos, procurava evitar que, em geral, as mulheres fossem parar à prisão.

Deveria ter sido acolhida e abraçada com ambas as mãos por aqueles que têm passado os últimos meses a clamar contra uma lei cuja substância consistia em condenar à prisão as mulheres que abortavam e a recolher assinaturas para que isso deixasse de acontecer. Afinal era esse o seu cavalo de batalha. “Acabar com uma lei que envia as mulheres para a prisão” foi o lema da Maia e de Aveiro e que incendiou os meios de comunicação social.

Vemos agora como esse clamor era e é hipócrita e mentiroso. Essas pessoas afinal nunca se preocuparam, sinceramente, com as mulheres! É-lhes indiferente, como se vê, se vão ou não parar à prisão. Utilizam-se de nós como meros meios-objectos para conseguir os seus fins. Não somos mais do que “parte da estratégia”, um pretexto para as suas obsessões ideológicas.

Aliás, sempre esconderam quais as consequências para nós, físicas e psicológicas, do aborto, para além da morte do nosso filho.

Francamente, esta atitude dos proponentes do “aborto a pedido” não pode provocar senão repulsa.

Ou então expliquem-nos: porque é que a proposta do Professor Freitas do Amaral foi pura e simplesmente ignorada ou secamente rejeitada pelos adeptos da liberalização, como quem não quer a coisa, quer nos meios políticos, quer na opinião pública ?

Associação Mulheres em Acção