Jornal de Notícias - 15 Jan 04

Deputado escreve carta pelo "não"

ABORTO António Maria Pinheiro, independente do PSD, critica Comunicação Social 
Isabel Teixeira da Mota

O deputado independente do PSD António Maria Pinheiro Torres escreveu uma carta a todos os deputados (229) a reclamar "espaço" para poder "dar as razões do "não" num eventual novo referendo sobre a liberalização do aborto que venha a realizar-se em Portugal. E a "dar a conhecer a vasta obra social nascida depois de Junho de 1998 (e mesmo aquela anterior a esta data) em que têm empenhado a sua vida os homens e mulheres que se opõem ao aborto livre". 
 
Na carta, a que o JN teve acesso, o deputado argumenta que "a Comunicação Social teceu em volta do "não" ao aborto livre uma cortina de silêncio, que nos impede de dar as nossas razões". Pelo que, disse o deputado ao JN, as questões centrais, designadamente a de que "a sociedade civil em Portugal não parou no referendo", não são apresentadas. Por isso, defende o activista anti-aborto, "é meu dever para com os meus colegas dar este contributo para que se conheça bem este assunto sobre o qual nos iremos pronunciar em breve". 
 
O parlamentar afirma, por outro lado, que "faltam gestos mais decididos" da parte do poder estatal e congratula-se pelo estudo que a Parlamento mandou que se fizesse sobre o aborto. "O facto de terem continuado a fazer-se muitos abortos mostraque faltam essas alternativas em termos de políticas do Estado", acrescentou. 
 
Pinheiro Torres é membro do movimento católico Comunhão e Libertação e foi eleito nas listas sociais-democratas pelo círculo de Braga. Asua missiva surge após ter sido marcado para o próximo dia 3 um agendamento potestativo do PCP para alteração da lei. Na bancada do PSD, mantém-se a disciplina de voto, apesar de já terem surgido algumas vozes a favor da discriminalização e de a JSD ter apresentado um projecto nesse sentido.