Público - 23 Dez 03
Será Que Alguém Tem Interesse em Acabar com o Aborto Clandestino?
Pedro Regojo

Ao longo da semana procurei acompanhar as declarações de políticos e os artigos de opinião aparecidos no PÚBLICO sobre o aborto. Estou perplexo com a superficialidade e a demagogia com que o assunto está a ser tratado. Só no artigo do médico Luís Marques (PÚBLICO, 13 de Dezembro) encontrei uma abordagem diferente. Como médico, está consciente de que a doença só se cura combatendo as suas causas. Um bom médico não trata apenas os sintomas (a febre por exemplo), mas procura atacar as raízes da doença. Por que é que os nossos políticos, sociólogos ou jornalistas não discutem os motivos pelos quais algumas mulheres abortam e os meios que poderiam ser usados para acabar com o aborto clandestino ou minimizar os seus efeitos negativos? Será que os políticos estão só interessados no aborto na medida em que seja útil para as suas lutas partidárias? Alguém acredita que descriminalizando o aborto o problema dos abortos clandestinos acaba? Por que não vemos o que acontece noutros países que avançaram para esse tipo de solução? Já agora, por que é que não descriminalizamos a fraude fiscal, o excesso de velocidade ou o roubo? São dezenas de milhares os infractores que entorpecem os nossos tribunais... Será que a melhor estratégia para acabar com as mortes ocasionadas pelo excesso de velocidade é alterar a lei, aumentando os limites? Não convirá antes investigar as situações que propiciam o excesso de velocidade e combater as suas causas através de programas de educação nas escolas, campanhas de sensibilização dos condutores, etc.