Expresso - 14/12/2002

Católicos da JS contra proposta do PS 
 
OS JOVENS Socialistas Católicos estão contra a legalização do aborto, a principal bandeira da JS e um tema que Ferro Rodrigues prometeu recuperar no último Congresso do PS. Por essa razão, vão lançar uma campanha nacional contra a interrupção voluntária da gravidez na segunda-feira. No âmbito desta campanha serão distribuídos 20 mil autocolantes - incluindo um a cada deputado da Assembleia da República - e cinco mil cartazes por todo o país.

Esta iniciativa dos Jovens Socialistas Católicos, um movimento que conta com cerca de 70 elementos, surge precisamente duas semanas depois de a JS, liderada por Jamila Madeira, ter arrancado com uma campanha a favor da legalização do aborto. Totalmente em desacordo com Jamila Madeira, o líder dos jovens católicos (e dirigente nacional da JS), Cláudio Anaia, defende que «a JS deve preocupar-se com outras questões que são mais pertinentes para os jovens, como sejam o ensino, o emprego e a habitação» e garante que «Jamila Madeira está ser pressionada por algumas figuras do PS e por lóbis».

Na opinião de Cláudio Anaia, também o PS devia colocar este assunto de parte «e preocupar-se com outras questões muito mais importantes para o país, se quer voltar a ser Governo». O líder dos Jovens Socialistas Católicos assegura que o PS está «completamente dividido» nesta matéria e considera «lamentável» a posição de Ferro Rodrigues. 

Cláudio Anaia recorda, aliás, o exemplo de António Guterres - que «deu liberdade aos militantes do PS e nunca vinculou o partido nesta matéria» - para sustentar que o PS «deve ser um partido moderado e equilibrado» e que «não pode andar a reboque da esquerda jacobina como é o caso do Bloco de Esquerda e do PCP».

Os jovens socialistas católicos não poupam críticas à JS e ao líder do PS, classificando a iniciativa da JS de «profundamente antidemocrática» uma vez que a legalização da interrupção voluntária da gravidez «já foi chumbada no Parlamento e em referendo».

Desta forma, os Jovens Socialistas Católicos «juntam-se» à campanha lançada na passada semana pela Juventude Popular contra o aborto. 

Sofia Rainho