Estados Unidos
Universidade quer clonar embriões humanos
A Universidade de Stanford avançou publicamente a sua intenção de fazer clonagem de embriões humanos para fins de investigação médica

Clonar embriões humanos enquanto fontes de células estaminais é o que a Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, veio ontem dizer publicamente. Esta instituição pretende lançar-se no projecto com o objectivo principal de produzir «matéria-prima» para fazer investigação médica na área da oncologia. 

De acordo com a notícia avançada pela Agência Lusa, os trabalhos estarão a cargo de um instituto vocacionado para a realização de estudos relacionados com o cancro e a biologia das células mãe, bem como a sua aplicação médica. Este instituto será criado com uma doação anónima de 12 milhões de euros.

A Universidade de Stanford é, desta forma, a primeira instituição norte-americana a entrar na área da produção e investigação de células estaminais. No entanto, fontes da Universidade já anunciaram que o material obtido será partilhado com outros cientistas e instituições de investigação, uma vez que já existem queixas em relação à falta de linhagens de células estaminais suficientes para a sua investigação.

Irving Weissman será o director do instituto: «O nosso objectivo declarado é conseguir que a ciência avance. É um erro mantermo-nos à parte da acção por razões políticas e esperar que alguém realize a investigação». 

Para alcançar este objectivo, Weissman já declarou que vai procurar trazer para o seu instituto a colaboração dos melhores peritos em clonagem que existem no mundo.

Rosalina Grilo
Jornalista