D Europe Far Right

A viragem generalizada à direita na Europa tem muito a ver com o fracasso do centro-esquerda e do centro-direita na salvaguarda dos mecanismos de proteção do Estado. A perceção de que os Estados não tem os recursos para pagar a saúde e as reformas prometidas a uma população em rápido envelhecimento conduz a um pessimismo e um cepticismo generalizados face aos partidos tradicionais. Com a crise migratória a bater à porta e a somar-se à impotência e incompetência dos governos na sua esfera de ação tradicional, o alarme social e eleitoral é crescente. Neste contexto, ao contrário do que aconteceu durante décadas, as propostas e a visão dos movimentos pró-vida, pró-família, pró-natalistas, nos vários países, começam a ser adotadas pelo centro-direita como tábuas de salvação perante o risco de estes partidos serem varridos do mapa político-partidário em cada país e darem lugar, em definitivo, a movimentos de “extrema-direita” e “populistas”. Duas questões se colocam: vão os velhos partidos mudar apenas em termos cosméticos e nada fazer em termos concretos? E, ainda que tomem medidas, virão elas a tempo de minorar os estragos de décadas de erros?

A este propósito, vale a pena procurar e ler o artigo de Alex Baker no Financial Times sobre os ventos de mudança política na Europa. "Winds of change blow Europe’s centre-right into political retreat. Conservatives exposed to same forces that crushed moderate left" em https://www.ft.com/content/07fd102e-6a68-11e8-b6eb-4acfcfb08c11